Saguão do Aeroporto Santos Dumont - Foto: Reprodução

A transferência de voos do Aeroporto Santos Dumont, no Centro do Rio, para o Aeroporto Internacional do Galeão, na Zona Norte da cidade, deverá começar em janeiro e avançar de forma progressiva. A afirmação foi feita nesta segunda-feira pelo ministro de Portos e Aeroportos, Márcio França. Segundo ele, a partir de outubro começará também uma redução na quantidade de horários de voos, para manter o volume de passageiros no terminal do Centro dentro da capacidade. Na semana passada, o prefeito Eduardo Paes informou que o governo federal havia aceitado a proposta das autoridades do Rio, de restringir as operações no Santos Dumont.

“A implantação das medidas é progressiva. Quando uma pessoa adquire uma passagem, não podemos chegar e falar que a passagem adquirida não tem validade. As companhias têm que ser preparadas para isso. Já tínhamos decidido que, a partir de outubro, faríamos uma redução para chegar em 9 milhões, 9,5 milhões de passageiros (por ano)”, afirmou o ministro, durante uma cerimônia de inauguração de uma estrutura no Santos Dumont, que é operado pela Infraero.

E acrescentou: “A partir de janeiro, vamos implementar progressivamente a decisão do presidente”

Após reunião com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em Brasília, na semana passada, o prefeito Paes informou que as únicas rotas que permanecerão no terminal localizado no Centro do Rio serão a ponte aérea para Congonhas, em São Paulo, e os voos para Brasília. Todos os demais voos para destinos domésticos serão destinados ao Galeão.

Outra decisão tomada é que não será mais possível fazer check-in no Santos Dumont para voos internacionais. Embora ele não tenha rotas para o exterior, hoje o passageiro pode despachar bagagens e fazer conexões para cidades fora do país a partir do terminal localizado na região central da cidade. Isso poderá ajudar a atrair mais voos para o Galeão.

Com informações do Jornal O Globo

Leia também: Santos Dumont deverá operar apenas voos para São Paulo e Brasília, diz prefeito do Rio