A Emirates anunciou esta semana, o investimento de 200 milhões de dólares para financiar projetos de pesquisa e desenvolvimento (P&D) com foco na redução do impacto dos combustíveis fósseis na aviação comercial. Os recursos serão desembolsados ao longo de três anos, em parceria com organizações que trabalham em soluções de tecnologias avançadas de combustível e energia.

“Analisamos com atenção a realidade de tecnologia de motores e aeronaves comerciais, cadeia de suprimentos de combustível e os requisitos regulatórios e de ecossistema do nosso setor. Está claro que, com as alternativas de redução de emissões disponíveis atualmente para as companhias aéreas, o nosso setor não conseguirá atingir as metas de zero emissão líquida no prazo definido”, disse Tim Clark, presidente da Emirates, em comunicado.

Em janeiro, a Emirates concluiu o primeiro voo de demonstração com 100% SAF (Sustainable Aviation Fuels) em parceria com a Boeing e a GE. No entanto, o SAF de base biológica, atualmente o único tipo de SAF disponível comercialmente, tem oferta limitada. Segundo a Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA), o suprimento anual mundial de SAF atende a menos de 0,1% das necessidades das companhias aéreas.

Entre as medidas de sustentabilidade da companhia, segundo nota, está a operação de rotas flexíveis, estabelecendo parcerias com provedores de serviços de navegação aérea para criar o plano de voo mais eficiente para cada voo, aproveitando os ventos de cauda naturais e evitando ventos contrários e sistemas climáticos. Outra iniciativa é a instalação de painéis solares para alimentar alguns de seus prédios operacionais em Dubai e o uso de veículos elétricos tanto aéreos quanto terrestres.