Além do Brasil, também foi aceita a entrada da Costa Rica como membro permanente da organização. Foto: ITF/Divulgação

presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, teve um novo capítulo nesta quinta-feira (25). A partir desta data, o Brasil é membro permanente do Fórum Internacional de Transportes (ITF), entidade que reúne 66 nações e discute o presente como forma de projetar o futuro dos transportes em todo o planeta.

O ITF é uma organização intergovernamental autônoma ligada administrativamente à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Trata-se de um órgão internacional que atua como um think tank para questões relacionadas à política de transportes de todos os modais e que realiza anualmente um encontro entre ministros de Transportes dos países membros, no qual são apresentadas as últimas novidades e políticas do setor.

Além do Brasil, também foi aceita a entrada da Costa Rica como membro permanente da organização. “O ingresso do Brasil neste fórum se dá em momento de extrema importância, em que nosso país reassume seu papel de líder regional e retoma seu protagonismo no combate à fome e no enfrentamento das questões associadas a mudanças climáticas”, ressaltou o ministro dos Transportes, Renan Filho.

Crescimento e sustentabilidade

O anúncio ocorreu durante a Cúpula Anual 2023 do ITF, que esse ano tem como tema “O Transporte a serviço das economias sustentáveis” e conta com a participação de mais de mil delegados do mundo todo. “O ITF dá as boas-vindas de braços abertos ao Brasil e à Costa Rica como novos membros. Estamos orgulhosos de ter conosco duas grandes nações latino-americanas”, agradeceu o Secretário-Geral do ITF, Young Tae Kim, após a reunião ministerial na qual foi formalizada a adesão dos dois países.

Para os brasileiros, o benefício de fazer parte de uma organização como o ITF está em acessar, em primeira mão, as melhores práticas para melhorar a vida das pessoas. A organização analisa tendências, compartilha conhecimento e promove trocas entre a sociedade civil e os executores de políticas públicas, além de discutir o papel do transporte no crescimento da economia, na sustentabilidade ambiental e inclusão social.